sábado, 1 de março de 2014

Encontro com Ernest Hemingway.

Encontro com Ernest Hemingway.

André Francisco Gil.
01/03/14.

Melhor aventurar-se em festas soltas de Lítera,a cidade das bibliotecas antigas.

No osso da coisa nada exemplar.

Hemingway quer um yankee para ir a Key West numa caravana de carcamanos.

-Se a vida dispara esqueça as colagens.

Das obras,das formas temerárias,influências narrativas ou narrativas que influenciam.

Enorme dinâmica,tanta literatura em Leonard Elmore que despretigio.

-Senti uma ponta de inveja nisso!

As curtas de Hunter S.Thompson são as melhores.

-Nostalgia sua cagando espanholas enormes.

As reflexões de Bret Easton Ellis estão em seus cem números de modos exaustivos de escrever.

São dois manifestos de um escritor de negócios.

Foi um dos imitadores que distribuiu exemplares raros aos jovens de Lítera.

Sentiram os diálogos e mais o idealismo tomar corpo.

-Qual história eu não li?
-”Dentro da cabeça,coração no centro”.

Os sósias não morreram,ainda causam danos,são figuras abstratas que fazem o que não devem.

-Daiquiris.
-Perfeito.Boa pedida.

Enquanto isso o mundo lá fora se perde na imperfeição.

Depois da guerrra “plessure” a procura por criaturas rebeldes da contracultura.

-As frases vivas de Chuck Palahniuk futuramente me inspirarão.
-Aqui em 1.961 as coisas são nostálgicas.
-Correspondente cubano é um escritor sem escritas.
-Aceita um charuto?
-Ao atravessar Grace com reflexo rápido me livrei de um tiro.
-A forma como Kerouac viverá,dirá aos turistas.
-Futuramente ele criará um estilo que hipnotizará (influenciará) toda uma geração.
-J.D.Salinger esse ainda leva a literatura em sua bagagem de surpresas.
-Concursado é exagero,através desse nível eu me ajoelho perante os grandes nomes.

Hemingway nascido em 1.899 viveu até 1.961 para ensinar.

-O que nos ensinou?
-A literaruta refletindo a vida e a vida refletindo a literatura.

Elegante Ernest na porta de um casarão antigo de bengala,  chapéu coco,gravata borboleta e acompanhado de uma bela moça de cabelos cacheados a espera da barca do tempo.Buscando para dentro do casarão com o olhar alguém que ainda não chegou.